Blue Flower

Digite o termo na pesquisa conforme o Sumário atual da terceira etapa. Aperte o enter e aguarde o melhor resultado. Após entrar no tema da publicação, busque a palavra do seu interesse usando as teclas Ctrl + f. surgirá uma barra superior onde se deve digitar a palavra chave, p. ex. "Dummar", logo aparecerá ressaltada, com o número de vezes que se acha no texto. 

 

       

Famílias Cearenses & Francisco Augusto de Araújo Lima.       

              

 

 

            

Capela do Jaguaribe - Merim. Gravura de 1859, José Carlos dos Reis Carvalho, in História da Comissão Científica, Renato Braga, Fortaleza, 1962, UFC, IU.

 

 

     Por Fco. Augusto de Araújo Lima – Tupancy, Eusébio, Ceará, 20 junho de 1997. Editado a 21 de janeiro de 2019. genealogia@familiascearenses.com.br  faal.ww@gmail.com

                                                                          

 

           1.  Amílcar de Morais Fernandes Távora, Engenheiro Civil pela Faculdade de Engenharia do Rio de Janeiro, dezembro de 1946. Nasceu em Fortaleza a 11 de abril de 1920 e faleceu no dia 13 de junho de 1992. Casou-se a 03 de dezembro de 1952, em Fortaleza, com Constança Freire Telles Távora, que nasceu a 28 de julho de 1931, em Fortaleza, filha de Raymundo Guttenberg Telles e de Acy Burlamaqui da Costa Freire.

 Termo de batismo.Amílcar filho legítimo do Dr. Manoel do Nascimento Fernandes Távora e Dona Carlota Augusta de Morais Távora, nascido aos onze de abril de 1920, foi pelo Monsenhor Vicente Salazar da Cunha, solenemente batizado na Catedral (de Fortaleza) aos onze de agosto de 1920. Foram padrinhos, Dom Carloto Fernandes da Silva Távora e Dona Laudomia B. Freire. E para constar lavrei este assento que assino. Monsenhor João Alfredo Furtado.” Ver a sua descendência em Marcelo Linhares. Guaramiranga e os Caracas, Ed. ABC. Fortaleza, 2001. p. 161. Cf. Livro de  Batismos de Fortaleza. familysearch.org.

          Filhos por Constança e Amílcar:

1.1. Mônica Telles Távora.

1.2. Carlota Elizabeth.

1.3. Beatriz Helena.

1.4. Carlos Amilcar.

1.5. Luiz Eduardo.

 

                      

 

                                                                                                   

         Pais de Amílcar de Morais Fernandes Távora  2.-3.

  1. Manoel do Nascimento Fernandes Távora nasceu a 11 de março ou 21 de março de 1877, na Fazenda Embargo, Jaguaribe, Ceará. Estudou na Vila de Jaguaribe e em 1884 mudou-se para o Crato onde frequentou o Colégio São Tomás de Aquino, dirigido pelo Professor Francisco Thomaz de Souza Peixoto, parente dos Távoras, e no Colégio São José, do Professor José Joaquim Telles Marrocos. No ano de 1889 matriculou-se no Seminário Menor de São José, Crato, onde permaneceu até 1891, no reitorato do Monsenhor Francisco Rodrigues Monteiro, sendo Vigário do Crato seu tio Padre Antônio Fernandes da Silva Távora. No Instituto de Humanidades, Fortaleza, 1894, continuou seus estudos até março de 1896 quando segue para Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo, onde seu tio o Padre Carloto Fernandes da Silva Távora era Vigário. Depois Recife, para concluir os preparatórios. Em 1897 presta exame na Faculdade de Medicina da Bahia, concluindo o 1º ano transferiu-se para a cidade do Rio de Janeiro. Desejava ser militar, formou-se em medicina e na realidade foi um grande político.

   Médico e Farmacêutico, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro a 21 de janeiro de 1903. Exerceu a sua profissão por doze anos na Amazônia. Inspetor Médico das Caixas de Aposentadoria e Pensões, do Conselho Nacional do Trabalho, Jornalista, Professor, Deputado Estadual, 1913/1914, 1917/1919, Interventor Federal no Ceará, 08.08.1930 / 22.09.1931, Deputado Federal, 1933/1937, 1946/1947, Senador da República, 1947/1955, 1955/1963. Manoel do Nascimento Fernandes Távora casou-se a 25 de junho de de 1916, Fortaleza, com Carlota Augusta de Morais. O Dr. Fernandes Távora faleceu a 23 de setembro de 1973, em Fortaleza, Ceará.

  Termo de casamento.“No dia vinte e cinco de junho de 1916, compareceram em minha presença, em casa particular a Rua Sena Madureira, nesta cidade (de Fortaleza) os contraentes, meus paroquianos, Dr. Manoel do Nascimento Fernandes Távora e Carlota Augusta de Moraes, ambos solteiros; ele com quarenta anos de idade, e ela com trinta e um anos de idade e sem impedimentos. Receberam-se por marido e mulher com palavras de presente, e logo lhes dei as bênçãos nupciais, sendo testemunhas presentes: Dr. Belizário Fernandes Távora e Emílio de Moraes. Do que lavrei este termo. O cura Padre João Alfredo Furtado.” Cf. Livro de Matrimônios, Fortaleza. familysearch.org.

   A oralidade conserva a notícia que o Dr. Fernandes Távora conheceu Dona Carlota em uma estação de trem em Paris, gare Lyon. Daí começa o relacionamento maduro que termina com o casamento, com separação de bens, em casa particular, na Rua Sena Madureira. O Médico era ‘pobre’ se comparado a nubente, mas íntegro o suficiente para não aceitar alternativa que não fosse a separação legal de bens. No caso de falecimento de qualquer um dos cônjuges, em regime de separação obrigatória de bens, havendo descendentes, o cônjuge sobrevivente não é considerado herdeiro. Assim aconteceu quando da morte de Dona Carlota, nos idos de 1949. Os filhos herdeiros resolveram passar os bens ao Pai em uma demonstração de união familiar. 

  1. Carlota Augusta de Moraes nasceu aos vinte e quatro de abril de 1885, em Fortaleza e faleceu no ano de 1949. Termo de batismo.Carlota, branca, filha legítima do Doutor Virgílio Augusto de Moraes (advogado) e de Dona Cândida Felícia de Moraes nasceu a vinte e quatro de abril de 1885; foi de licença minha solenemente batizada na Capela de Nossa Senhora do Rosário, desta Catedral (de Fortaleza) pelo Reverendo Doutor Justino Domingues da Silva, aos doze de setembro do mesmo ano, sendo padrinhos o Doutor José Pacífico Caracas e Dona Aline Parente, representados por seus procuradores o Coronel Joaquim Alves Linhares e Dona Rita Amália Vieira Linhares. E para constar mandei fazer este assento que assino. O Cura Constantino Gomes de Matos.” Obs.: O Reverendo Doutor Justino Domingues da Silva que realizou o batismo é tio avô da batizanda. Cf. Livro de Batismos, Fortaleza. familysearch.org.

     Dr. Fernandes Távora e D. Carlota foram pais de:

3.1. Moema de Morais Fernandes Távora nasceu a 17 de julho de 1917, inupta. Com a morte de sua mãe administrou a casa paterna, localizada na Rua Sena Madureira, centro da cidade de Fortaleza. Com o falecimento do Dr. Fernandes Távora passou a residir com seu irmão Amílcar e sua cunhada Constança. Termo de batismo.“No dia dois de ... (sic) de 1917, o Reverendo Frei Marcelino batizou solenemente na Igreja do Coração de Jesus a Moema, nascida a dezessete de julho do dito ano: filha legítima do Dr. Manoel do Nascimento Fernandes Távora e Carlota Moraes Távora. Sendo padrinhos o Dr. Virgílio Augusto de Moraes e Cândida Caracas de Moraes. Do que fiz este termo, Padre João Alfredo Furtado.” Cf. Livro de Batismos, Fortaleza. familysearch.org. 

                                   

  Virgílio Távora. Fonte foto Wiliwand.          Juarez Távora, o Vice Rei do Norte. Fonte foto. Wikipédia.

 

3.2. Virgílio de Morais Fernandes Távora nasceu a 29 de setembro de 1918, (mil novecentos e dezoito) em Fortaleza e faleceu a 03 de junho de 1988, na cidade de São Paulo. A data de nascimento do Coronel Virgílio é divulgada erroneamente como sendo o seu nascimento no ano de 1919. Termo de batismo.Virgílio, filho legítimo do Dr. Manoel do Nascimento Fernandes Távora e Carlota Augusta de Moraes Távora, nascido aos vinte e nove de setembro de mil novecentos e dezoito (1918), foi por mim solenemente batizado na Catedral (de Fortaleza) aos vinte e cinco de dezembro de 1918. Foram padrinhos, o Dr. Belizário Fernandes da Silva Távora e Alice Cândida de Moraes. E para constar lavrei este assento que assino. O Vigário, Monsenhor João Alfredo Furtado.” Cf. Livro de Batismos, Fortaleza. familysearch.org.  Á margem: Extraído para casar, 18.02.1953

   Oficial do Exército brasileiro, Engenheiro Militar, Deputado Federal, 1950/54, 1954/58, 1966/70 Senador da República, 1971/78, 1983/88, Governador do Estado do Ceará, 1963/66 e 1979/82. Ministro da Viação e Obras Públicas, no Governo de João Belchior Marques Goulart, 1961/62. Homem dotado de superior inteligência, grande visão e expressão política - social. Chefe da UDN no Ceará. Exemplo raro de político que nasceu rico e faleceu pobre*, apesar de ter exercido elevadas funções. *Pobre: o patrimônio - herança materna - extremamente reduzido, pelos gastos pessoais motivados por sua dedicação a vida pública, em detrimento de sua vida privada.

   O coronel Virgílio sobrinho do Engenheiro Civil e militar, Joaquim Távora herói da revolução de 1924, que faleceu a 19 de junho do dito ano de 1924, vítima de ferimentos em batalha. Sobrinho, do militar e ilustre político Juarez Távora, e ainda sobrinho e sobrinho neto de personagens importantes do clero brasileiro. Ver Francisco Augusto de Araújo Lima. Siará Grande - Uma Província Portuguesa no Nordeste Oriental do Brasil. Editora Expressão Gráfica, Fortaleza. 2016. Volume III. p. 1725. Virgílio casou-se a 05 de maio de 1953, no Palácio São Joaquim, Rio de Janeiro, com Luíza de Moraes Correia, filha do Dr. Luiz de Moraes Correia e de D. Esmerina Tavares. Com geração.

3.3. Amílcar de Morais Fernandes Távora supra.

      

       Avós de Amílcar de Morais Fernandes Távora 4.-5. e 6.-7.

  1. Joaquim Antônio Alves do Nascimento nasceu no ano de 1844, em Jaguaribe, Ceará, casou-se no ano de 1874, com Clara Fernandes da Silva Távora. Joaquim faleceu no ano de 1940. Cf. Juarez Távora, Uma vida e muitas lutas, MEMÓRIAS, Livraria José Olympio Editora, 1974, p.14.
  2. Clara Fernandes da Silva Távora nasceu no ano de 1855, em Jaguaribe, Ceará, faleceu no ano de 1913.
  3. Virgílio Augusto de Morais nasceu a 21 de dezembro de 1845, em Sobral. Bacharel em Direito, Academia do Recife, 1867. Termo de batismo.Virgílio, filho legítimo de Manoel Francisco de Moraes e de Dona Carlota Maria da Glória, desta Freguesia, neto paterno de Joaquim, digo de Anacleto Antônio de Moraes e de Joana Maria dos Santos Moraes e materno de Joaquim Domingues da Silva e de Dona Florência Maria de Jesus nasceu a vinte e um de dezembro de 1845, e foi batizado com os Santos Óleos, em casa do mesmo Moraes, pelo Reverendo Justino Domingues da Silva, de minha licença a treze de fevereiro de 1846. Padrinhos, o Doutor Antônio Domingues da Silva, e Dona Joana Maria dos Santos Moraes, por procuração que dela apresentou Dona Maria Joaquina dos Santos Silva. E para constar mandei fazer este assento que assino. O Vigário Miguel Francisco da Frota.” Cf. Livro de Batismos, Sobral. Obs. Virgílio Augusto de Moraes Sênior e sua mulher Cândida Felícia Caracas, pais de Virgílio Augusto de Morais Filho, Advogado, nasceu a 27 de abril de 1886 e foi batizado a 27 de outubro seguinte, na Catedral pelo Reverendo Doutor Justino Domingues da Silva. Padrinhos, o Doutor Manoel Caminha Tavares da Silva e de Dona Joaquina Gomes Parente, representados PP o Tenente Coronel José Antônio Moreira da Rocha e Dona Ermelina Carolina da Silva Rocha.  Cf. Livro de Batismos, Fortaleza. familysearch.org. Virgílio Augusto de Moraes Sênior casou-se com Cândida Felícia Caracas. 
  1. Cândida Felícia Caracas nasceu a 11 de agosto de 1855, e faleceu a 05 de maio de 1949, em Fortaleza, filha de José Pacífico da Costa Caracas e de Ana Felícia de Lima.

         

         Bisavós de Amílcar de Morais Fernandes Távora.

  1. Manoel do Nascimento Guedes, no ano de 1905 ainda era vivo, filho de Manoel do Nascimento Pereira e de Luzia Pereira de Carvalho. Casou-se com Isabel Alves de Lima.
  2. Isabel Alves de Lima, filha de Antônio Alves de Lima e de Teresa de Jesus Maria.
  3. Antônio Fernandes da Silva Távora casou-se com Idalina Alves de Lima. Antônio faleceu antes de 1903.
  4. Idalina Alves de Lima nasceu c. de 1825.
  5. Major Manoel Francisco de Morais nasceu no ano de 1817, em Pernambuco, casou-se a 15 de agosto de 1844, na Igreja Matriz de Sobral, com Carlota Maria da Glória Domingues. Manoel faleceu em fevereiro de 1884. Termo de casamento.“ A quinze de agosto de 1844, depois de procedidas as diligências de estilo do que não resultou impedimento algum cujos papeis ficam nesta Matriz, em minha presença e das testemunhas Diogo Gomes Parente e Joaquim Lopes dos Santos, se receberam em matrimônio por palavras de presente Manoel Francisco de Moraes filho legítimo de Anacleto Antônio de Moraes e de Joana Maria dos Santos, natural do Estado de Pernambuco, com Carlota Maria da Glória, filha legítima de Joaquim Domingues da Silva e de Florência Maria de Jesus, desta Freguesia (de Sobral), e logo receberam as bênçãos nupciais na forma do Rito Romano. E para constar mandei fazer este assento em que me assino. O Vigário Miguel Francisco da Frota.” Cf. Livro de Matrimônios, Sobral. familysearch.org. Famílias Cearenses & Francisco Augusto de Araújo Lima.
  6. Carlota Maria da Glória Domingues nasceu 02 de outubro de 1815, em Sobral, Ceará, e faleceu a 06 de maio de 1914, em Fortaleza.
  7. José Pacífico da Costa Caracas, Capitão nasceu a 05 de junho de 1819, na Serra de Baturité, Ceará, batizado a 14 de junho do dito ano de 1819. Casou-se 29 de setembro de 1851, em casa do nubente, com Ana Felícia de Lima. José faleceu em 08 de setembro de 1877, na Freguesia de Baturité.
  8. Ana Felícia de Lima nasceu a 20 de outubro de 1830, e faleceu 16 de abril de 1915. Termo de casamento:“Aos 29 de setembro de 1851 pelas oito horas da noite, em sua casa, dispensados nos banhos, não constatando impedimento algum, na presença das testemunhas, André Epifânio Ferreira Lima e Timóteo Ferreira Lima Júnior, casados desta Freguesia se receberam em matrimônio JOSÉ PACÍFICO DA COSTA CARACAS filho legítimo de João Alves da Costa, já falecido, e Maria Madalena de São José com ANA FELÍCIA DE LIMA filha legítima de José Santiago de Oliveira e de Maria Freire do Prado, da Freguesia de Russas, o nubente desta Freguesia, moradores nesta mesma Freguesia; Receberam as bênçãos nupciais e para constar lavrei este termo que assino. O Vigário Raimundo Francisco Ribeiro”. Cf. Livro de Matrimônios Baturité. familysearch.org. 

Foram nomeados intendentes municipaes da villa do Pacoty, José Gomes Pimenta, João  Garapa, João  Baptista  Maia, Manoel  Francisco  da  Silva  e  João  Pacífico  da Costa  Caracas.”   Cf. Jornal O Estado do Ceará. ANO I Nº 42 – 11.09.1890.   

         

      Terceiros - avós de Amílcar de Morais Fernandes Távora.

  1. Manoel do Nascimento Pereira nasceu na Freguesia de Russas. Casou-se a 10 de setembro de 1780, na Igreja Matriz de N. Senhora da Expectação do Icó, com Luzia Pereira de Carvalho. Termo de casamento.“  Aos dez dias do mês de setembro de 1780, na Matriz, pelas dez horas do dia feitas ás denunciações que dispõe o Sagrado Concílio Tridentino, sem descobrir impedimento algum na presença do Reverendo Cura Félix José de Morais e sendo presente as testemunhas, o Sargento Mor João Batista da Costa Coelho e o Capitão Manoel Carlos da Silva, se receberam solenemente por palavras de presente Manoel do Nascimento Pereira natural das Russas, filho legítimo de João Paes de Araújo e Joana Pereira do Nascimento, com Luzia Pereira de Carvalho natural desta Freguesia do Icó, filha legítima de Manoel de Araújo Guimarães e Ana Gonçalves dos Reis, o conjugado foi dispensado nos banhos de sua naturalidade pelo Muito Reverendíssimo Senhor Doutor Visitador Padre Manoel Antônio da Rocha; receberam as bênçãos na forma do Ritual Romano conforme a doutrina cristã. E para constar mandou o Reverendo Pároco fazer este assento em que assinou. André da Silva Brandão.” Cf. Livro de Matrimônios e Óbitos, Nossa Senhora da Expectação do Icó. Famílias Cearenses & Francisco Augusto de Araújo Lima.
  2. Luzia Pereira de Carvalho nasceu na Freguesia do Icó.
  3. Antônio Alves de Lima nasceu a 04 de abril de 1786, em Aracati. Termo de batismo.“ Aos quatro de abril de 1786, nasceu Antônio, filho legítimo de José Álvares de Lima e de Helena Maria do Sacramento, foi batizado pelo Reverendo Frei Estandislau de Santa Teresa, Religioso Carmelita, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário do Aracati, sendo por padrinhos Felipe Frére do Amaral e Teresa de Jesus Lima do que para constar fiz este assento e ser o batizado realizado a sete de maio do dito ano. Padre José Joaquim Nunes da Costa.” Cf. Livro de Batismos, Aracati.  Antônio casou-se com Teresa de Jesus Maria.
  4. Teresa de Jesus Maria.
  5. Francisco da Cunha nasceu a 28 de novembro de 1763, em Jaguaribe - Merim, Ceará. Termo de batismo. Francisco filho de Manoel da cunha, natural da Freguesia de Paços de Ferreira, Bispado do Porto, e de sua mulher Rosa Maria da Silva nasceu no Cabo de Santo Agostinho, Bispado de Pernambuco, moradores na Freguesia do Icó; neto paterno de José da Cunha e de Domingas Dias, naturais da Freguesia de Paços de Ferreira; e pela materna neto de Amaro Rocha Lavor, natural da Freguesia do Cabo, e de sua mulher Maria Francisca da Silva, natural de Ipojuca, nascido a vinte e oito de novembro de 1763, e foi batizado na Capela de Nossa Senhora das Candeias, de minha licença, com os Santos Óleos, pelo Padre José Carlos da Silva, aos nove dezembro de 1763, e foram padrinhos, Venceslau Lopes de Andrade, solteiro, e Maria da Cunha, casada, e moradores nesta Freguesia, de que fiz este assento que assinei. Domingos Salgado, Cura e Vigário da Vara do Icó.” Cf. Livro de Batismos do Icó. Famílias Cearenses & Francisco Augusto de Araújo Lima.
  6. Francisca Porciúncula Fernandes da Silva n. Jaguaribe - Merim, Ceará, filha de José Carlos da Silva e de Inácia Francisca Pereira de Miranda.
  7. Antônio Alves da Paz Meireles casou-se com Francisca Maria Teresa de Jesus.
  8. Francisca Maria Teresa de Jesus, filha de Antônio Fernandes da Silva Távora, e de Idalina Alves de Lima.
  9. Anacleto Antônio de Morais casou-se com Joana Maria dos Santos.
  10. Joana Maria dos Santos.
  11. Joaquim Domingues da Silva, Alferes e comerciante, nasceu a 15 de agosto 1777, no lugar das Regadas, Distrito Porto, Portugal. Batizado a 17 do dito mês e ano, pelo Vigário Padre José Mendes Vasconcelos. Padrinhos: Carlos Nicolau Pupio, da Freguesia de São Nicolau, cidade do Porto, e Ana de São José, do lugar das Regadas. Testemunha, André Rodrigues. Joaquim Domingues da Silva, filho de Luís Domingues e de Josefa Francisca, moradores no lugar das Regadas. Neto paterno de Antônio Domingues, natural da Freguesia de Paramos, Concelho de Espinho, Distrito de Aveiro, (Área Metropolitana do Porto), e de Joana Antônia, natural de Fermedo, Arouca, Aveiro, área metropolitana do Porto. Neto materno de José Francisco, natural da Freguesia de Lever, e de Teresa Tavares Fernandes, natural da Freguesia de Feitosa, Ponte de Lima, Viana do Castelo.   

   O Alferes e comerciante Joaquim Domingues da Silva, de idade 28 anos e sete meses, casou-se a 11 de fevereiro de 1806, “pelas dez horas da manhã,” na Igreja Matriz de Sobral, com Florência Maria de Jesus, natural da Freguesia de Sobral, filha do Capitão Inácio Gomes Parente, n. no Bispado de Lamego, Viseu, e de Francisca de Araújo Costa. Presentes, o Vigário, Padre José Gonçalves de Medeiros, as testemunhas, o Sargento Mor Domingos Francisco Braga, Antônio Francisco Braga e Antônio José da Silva Castro. Joaquim faleceu a 22 de março de 1855, em Sobral, Ceará. Cf. Livro de Batismos, Porto. ETOMBO. Pesquisa Fco. Augusto. Cf. Livro de Matrimônios, Sobral. familysearch.org.

  1. Florência Maria de Jesus nasceu em Sobral, e faleceu a 05 de julho de 1862, Sobral.
  2. João Alves da Costa nasceu a 27 de dezembro de 1794, em Arneiroz. Termo de batismo.“Aos quatorze dias do mês de janeiro de 1795, nesta Igreja Matriz de Arneiroz da Freguesia de Nossa Senhora da Paz, batizei e pus os Santos Óleos a João, filho legítimo de Manoel Álvares da Costa e de Teresa Maria de Jesus, naturais de Quixeramobim; neto paterno de Francisco Álvares da Costa natural do Rio de São Francisco, e de Luíza da Costa Moura, natural do Pau do Alho, e pela materna de José Gomes Barreto e de Gertrudes Pereira Castelo Branco, naturais de Quixeramobim: nasceu a vinte e sete de dezembro do ano de 1794: foram padrinhos, o Capitão Francisco Álvares Feitosa, casado, e D. Mariana Álvares Feitosa, ambos casada, todos desta Freguesia, de que para constar fiz este assento e me assinei. O Cura Antônio Lopes de Azevedo.” Cf. Livro de Batismos de Arneiroz. Famílias Cearenses & Francisco Augusto de Araújo Lima. João Alves da Costa casou-se com Maria Madalena de São José.
  3. Maria Madalena de São José nasceu circa 1793, filha de José Álvares da Costa, n. Aracati, e de Maria Madalena do Coração de Jesus, n. na Serra do Martins, Rio Grande do Norte.
  4. José Felício Santiago de Oliveira nasceu a 08 de junho de 1808, e casou-se com Maria Freire do Prado. José faleceu em 14 de dezembro de 1862.
  5. Maria Freire do Prado nasceu a 09 de janeiro de 1804, na Freguesia de Russas, Ceará. Faleceu a 19 de setembro de 1860, e foi sepultada na Capela de São João do Jaguaribe.

    

  1.     

           Quartos - avós de Amílcar de Morais Fernandes Távora.

    1. João Paes de Araújo casou-se com Joana Pereira do Nascimento.
    2. Joana Pereira do Nascimento nasceu na Freguesia do Icó.
    3. Manoel de Araújo Guimarães nasceu o ano de 1741. Termo de batismo. "Aos dez do mês de setembro de 1741 anos nesta Freguesia de Nossa Senhora da Expectação do Icó, batizou de licença minha o Padre João Martins de Melo, a Manoel, filho legítimo de Bento de Araújo Guimarães e de sua mulher Luzia Pereira e não lhe pôs os Santos Óleos; foram padrinhos, Francisco Pereira e Inácia Pereira de Montes fregueses desta Freguesia, de que fiz este assento. Padre Diogo Freire de Magalhães.” Cf. Livro (Avulsos) de Batismos, Icó. Manoel casou-se a 27 de novembro de 1765, na Igreja Matriz do Icó, com Ana Gonçalves dos Reis Rego. Termo de casamento. “Aos vinte e sete de novembro de 1765, pelas dez horas da manhã. nesta (Igreja) Matriz de Nossa Senhora da Expectação do Icó e nela feitas as denunciações que manda o Sagrado Concílio Tridentino e sem se descobrir impedimento de minha licença em presença do Padre Coadjutor João Saraiva da Silva, se casaram por palavras de presente, Manoel de Araújo Guimarães filho legítimo de Bento de Araújo Guimarães e de sua mulher Luzia Primo Pereira de Carvalho, com Ana Gonçalves dos Reis filha legítima do Tenente André de Brito Maciel e de sua mulher Joana Gonçalves dos Reis, (Joana Isabel dos Reis Gonçalves), ambos os nubentes naturais desta Freguesia do Icó; lhes assistiram presentes por testemunhas, o Sargento Mor João Ferreira Lima e o Capitão Francisco Ferreira Lima, ambos casados e moradores nesta Freguesia e Vila. ..-.. de que fiz este assento que assino. O Cura e Vigário da Vara do Icó. Domingos Salgado.” Cf. Livro de Batismos e Matrimônios. Icó. Famílias Cearenses & Francisco Augusto de Araújo Lima.
    4. Ana Gonçalves dos Reis Rego